Notícias

Primeiro-ministro apela à união nacional a favor de Putin após rebelião do Grupo Wagner

Primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, pede unidade nacional em torno do presidente Putin após tentativa de motim de combatentes mercenários. Saiba mais.

26 Jun 2023 - 17h55 | Atualizado em 26 Jun 2023 - 17h55
Primeiro-ministro apela à união nacional a favor de Putin após rebelião do Grupo Wagner Lorena Bueri

O primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, falou à nação nesta segunda-feira (26), reconhecendo que o país enfrentou "um desafio à sua estabilidade" e enfatizando a importância de permanecer unido em torno do presidente Vladimir Putin após a tentativa frustrada de um motim protagonizado por combatentes mercenários fortemente armados.  

Em um acordo estabelecido no sábado (24) para neutralizar a crise e evitar um possível derramamento de sangue, o Kremlin anunciou que os mercenários do Grupo Wagner retornariam à base, enquanto seu líder, Yevgeny Prigozhin, se mudaria para Belarus. Como parte do acordo, todas as acusações criminais contra Prigozhin e seus combatentes seriam retiradas. 


Yevgeny Prigozhin, chefe do grupo Wagner (Foto: Reprodução/CNN/REUTERS/Yulia Morozova)


Durante uma reunião governamental televisionada, Mishustin expressou a necessidade de unidade nacional diante dos esforços do Ocidente para minar a Rússia. Ele ressaltou que, nessas circunstâncias, o principal objetivo é garantir a soberania, independência, segurança e bem-estar dos cidadãos russos. O primeiro-ministro, que assumiu o cargo em 2020, enfatizou a importância da consolidação de toda a sociedade e da união de todas as forças em torno do presidente Putin para enfrentar os desafios. 

Mishustin também criticou o Ocidente, citando as palavras do presidente Putin, que alertou que a máquina militar, econômica e de informações do Ocidente está direcionada contra a Rússia. O primeiro-ministro destacou que é essencial para a Rússia proteger seus interesses e permanecer firme diante dessas pressões externas. 

Enquanto isso, o presidente Putin declarou no sábado que a rebelião da força mercenária Wagner havia representado uma ameaça à própria existência da Rússia e prometeu esmagá-la. No entanto, ele não fez comentários públicos adicionais sobre os eventos dramáticos ou sobre o acordo mediado pelo presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, que foi fundamental para neutralizar a crise. 

Durante as tensas horas entre sexta-feira (23) e sábado (24), a crise se intensificou após Yevgeny Prigozhin, chefe do Grupo Wagner, publicar mensagens nas redes sociais acusando o comando militar russo. Prigozhin é um antigo amigo do presidente Putin e lidera uma tropa paga de ex-presidiários e estrangeiros, que se estima ter cerca de 50 mil homens e desempenhou um papel crucial para a Rússia em vitórias na guerra da Ucrânia. 

O motim da milícia começou a se desenrolar quando os mercenários saíram da Ucrânia, entraram em território russo e tomaram instalações militares em Rostov, no sul do país, avançando em direção a Moscou. No entanto, o acordo mediado pelo governo bielorrusso pôs fim à rebelião, e os mercenários recuaram quando já estavam a cerca de 200 km de Moscou. 

O Grupo Wagner é conhecido por atuar ao lado da Rússia na guerra com a Ucrânia. Surgiu em 2014 e é composto por ex-soldados de elite altamente qualificados. Acredita-se que o grupo tenha se expandido recrutando prisioneiros para lutar a favor da Rússia, reforçando a linha de frente e participando de várias batalhas, incluindo a conquista de Bakhmut. A relação entre o grupo e o Ministério da Defesa da Rússia já estava estremecida há meses, o que contribuiu para a crise ocorrida. 

Foto destaque: Presidente Russo, Vladimir Putin. Sputnik/Gavriil Grigorov/Kremlin /Reuters

VEJA TAMBÉM

EUA aplicará novas sanções contra Rússia em resposta à morte de Alexei Navalny Lorena Bueri

EUA aplicará novas sanções contra Rússia em resposta à morte de Alexei Navalny

De acordo com o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, as restrições devem responsabilizar a Rússia pela morte do ativista e pelas ações do país durante a guerra na Ucrânia
Guerra na Ucrânia: Biden culpa Congresso dos EUA pelo fracasso ucraniano Lorena Bueri

Guerra na Ucrânia: Biden culpa Congresso dos EUA pelo fracasso ucraniano

Em conversa com Volodymyr Zelensky, Joe Biden reforçou a urgência do Congresso em aprovar pacote de ajuda à Ucrânia após avanço russo na cidade de Avdiivka
Sem exército ucraniano, Rússia tem controle total de Avdiivka  Lorena Bueri

Sem exército ucraniano, Rússia tem controle total de Avdiivka

Após dois anos de resistência, a Ucrânia retira o exército de Avdiivka e a Rússia declara controle total. Com isso, a pressão cresce por um apoio internacional
Rússia anuncia avanço em vacinas contra o câncer Lorena Bueri

Rússia anuncia avanço em vacinas contra o câncer

Putin anunciou avanços russos em vacinas contra o câncer, estimulando o sistema imunológico para combater células tumorais, em fórum de tecnologias futuras em Moscou
Inteligência militar da Ucrânia alega que Rússia tem roubado sua internet Lorena Bueri

Inteligência militar da Ucrânia alega que Rússia tem roubado sua internet

Elon Musk, dono da empresa SpaceX, desenvolvedora da Starlink, se pronuncia e nega qualquer envolvimento referente ao uso da Rússia em equipamento doados à Ucrânia
Biden afirma que Congresso norte-americano cometerá 'negligência' se negar ajuda à Ucrânia Lorena Bueri

Biden afirma que Congresso norte-americano cometerá "negligência" se negar ajuda à Ucrânia

O presidente dos EUA adverte Congresso sobre urgência de aprovar financiamento à Ucrânia; Scholz expressa apoio durante visita a Washington e tem aprovação a um pacote de subsídio
Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo