Vacinação: Veja quem pode se vacinar nesta primeira fase e como será a distribuição no Brasil

Publicado 19 de Jan de 2021 às 11:51

Nesta segunda, 18, alguns estados começaram a vacinar os grupos prioritários. De acordo com dados oficiais do governo federal, os primeiros grupos de pessoas a serem vacinadas serão: Profissionais da área da Saúde, idosos institucionalizados (pessoas com 60 anos ou mais em abrigos ou asilos), pessoas com deficiência institucionalizados, indígenas e quilombolas em terras próprias. Segundo estimativas da ANVISA , esse grupo irá receber 2 doses da vacina com intervalo de 2 ou 3 semanas.

O número de vacinas que serão distribuídas para cada estado foi calculado pelo governo e será distribuibo de acordo com o número de habitantes dessas localidades. É importante ressaltar que somente os idosos de asilos e abrigos serão vacinados nesse momento, os demais irão aguardar a chegada de novos lotes da vacina Coronavac. 

Até o momento duas vacinas foram aprovadas para uso emergencial no Brasil. A CoronaVac, que é desenvolvida pelo laboratório Sinovac em parceria com o instituto Butantan chegou ontem, 18, na maioria das capitais brasileiras.

A outra vacina aprovada é a desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que ainda não está disponível.

 

Leia mais: Micose: Saiba o que é e como se prevenir dessa infecção comum no verão

 

Confira a divisão das doses da CoronaVac nesta primeira remessa para cada estado:

 

Região Norte

 

·      -   Rondônia - 33.040

·      -   Acre - 13.840

·      -   Amazonas - 69.880

·      -   Roraima - 10.360

·      -   Pará - 124.560

·      -   Amapá - 15.000

·      -   Tocantins - 29.840

     Total de doses - 296.520

 

Região Nordeste

 

·      -   Maranhão - 123.040

·      -   Piauí - 61.160

·      -   Ceará - 186.720

·      -   Rio Grande do Norte - 82.440

·      -   Paraíba - 92.960

·      -   Pernambuco - 215.280

·      -   Alagoas - 71.080

·      -   Sergipe - 48.360

·      -   Bahia - 319.520

      Total de doses - 1.200.560

 

Região Sudeste

 

·      -   Minas Gerais - 561.120

·      -   Espírito Santo - 95.440

·      -   Rio de Janeiro - 487.520

·      -   São Paulo - 1.349.200

      Total de doses - 2.493.280

 

Região Sul

 

·      -   Paraná - 242.880

·      -   Santa Catarina - 126.560

·      -   Rio Grande do Sul - 311.680

     Total de doses - 681.120

 

 Região Centro-Oeste

 

·       -   Mato Grosso do Sul - 61.760

·       -   Mato Grosso - 65.760

·       -   Goiás - 182.400

·       -   Distrito Federal - 105.960

       Total de doses - 415.880

 

O cálculo de doses foi feito pelo governo federal baseado no número de demanda populacional de cada estado.


Anvisa aprovou no último domingo por unanimidade o uso emergêncial da coronavac. (Foto: Reprodução/Governo de São Paulo)


Veja as fases de vacinação

 

De acordo com apuração do G1 e segundo o plano nacional de imunização, as três primeiras fases incluem os seguintes grupos:

 

·    Primeira fase: Trabalhadores de saúde; pessoas de 75 anos ou mais; pessoas de 60 anos ou mais institucionalizadas; população indígena aldeado em terras demarcadas aldeada; povos e comunidades tradicionais ribeirinhas.

·    Segunda fase: Pessoas de 60 a 74 anos.

·    Terceira fase: Pessoas com comorbidades (doenças preexistentes como diabetes, hipertensão, asma e tuberculose) 

 

Segundo o governo federal, ainda não está definido em qual fase serão inseridos os demais grupos prioritários, a decisão depende de aprovação das vacinas e disponibilidade. Até o momento não há previsão de vacinação para outros grupos.

O governo informou que vai se planejar à medida que as doses forem chegando. O instituto Butantan aguarda os insumos (matéria-prima) da China para dar prosseguimento a fabricação das doses das duas vacinas aprovadas. O Ministério da Saúde fará a distribuição de acordo com a entrega das vacinas.

 

(Foto Destaque: Vacinação: Veja quem pode se vacinar nesta primeira fase e como será a distribuição no Brasil. Reprodução/Agência Brasil)

 

Deixe um comentário