Esportes

Tenista Novak Djokovic é liberado de detenção na Austrália

Recurso do atleta é aceito, fazendo com que seja liberado de detenção na Austrália. O Ministro da Imigração avalia a situação e avisa que pode cancelar novamente o visto de Djokovic.

3 min de leitura
10 Jan 2022 - 16h48 | Atualizado em 10 Jan 2022 - 16h48

Nesta segunda-feira (10), a decisão do governo da Austrália em cancelar o visto do atleta Novak Djokovic foi anulada. Responsável pelo caso, o juiz Anthony Kelly ordenou que o tenista fosse solto da detenção na imigração. O juiz deixou claro na audiência que a decisão de cancelar o visto temporário seria revogada e que o governo da Austrália iria arcar com suas custas e tomaria “todas as providências necessárias para liberar o requerente imediatamente”.  

O governo da Austrália, após a audiência, declarou que vai recorrer da decisão. De acordo com o portal “The Age”, o ministro da imigração, Alex Hawke, afirmou que o caso Djokovic tenha novamente o visto cancelado, ele poderá ser banido de entrar no território da Austrália pelos próximos três anos. O advogado do atleta, Nicholas Wood, afirmou que Novak já está reunido com sua equipe jurídica mas não revelou a localização


O tenista Novak Djokovic. (Reprodução/Catve)


Para quem não está entendo o que aconteceu, o tenista Novak Djokovic passou por uma audiência na segunda-feira para tentar validar o visto de entrada na Austrália. Os documentos da Corte Australiana evidenciam que o sérvio confia em uma infecção recente por Covid-19 para se qualificar para autorização de exceção e poder assim jogar o Australian Open sem ter recebido o imunizante contra o coronavírus. O conhecimento sobre a infecção por Covid do atleta só veio a público este sábado.

Novak questionou a respeito do cancelamento de seu visto na quarta-feira, ao desembarcar em Melbourne. Desde então, ficou retido em um hotel esperando sua liberação para jogar o Grand Slam sem ter que ficar 14 dias de quarentena obrigatória no estado de Victoria para pessoas que não tomaram a vacina.

De acordo com o documento, o tenista testou positivo para coronavírus em 16 de dezembro e no dia 30 de dezembro já estava livre dos sintomas a 72 horas. A defesa de Djokovic afirma que, em 30 de dezembro, o atleta recebeu uma carta do diretor médico do Tennis Australia (entidade responsável pelo Australian Open) atestando que ele já estava disposto a receber uma autorização de exceção médica que lhe liberava de tomar o imunizante.

Novak deixa claro que o seu caso foi estudado por dois painéis de especialistas independentes unidos pela Tennis Australia e pelo Governo de Victoria. Segundo informações dadas pela defesa do tenista, a isenção de vacina era “consistente com as recomendações do Grupo Técnico Consultivo de Imunização Australiano”. Em 1º de janeiro, Djokovic recebeu avaliação do Departamento de Assuntos Internos afirmando que ele estava cumprindo todos os requisitos para a chegada na Austrália sem necessidade de quarentena.  

Foto Destaque: Novak Djokovic é liberado de detenção na Austrália. Reprodução/Instagram.

LEIA MAIS

Deixe um comentário