Setembro verde: mês de combate ao câncer de intestino

Publicado 24 de Sep de 2020 às 14:09

A prevenção do câncer de intestino, que hoje já é o segundo tipo de tumor mais comum entre mulheres e o terceiro entre homens, no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), se faz urgente. Estima-se que mais de 34 mil novos casos de câncer de intestino surjam em 2020, de acordo com o Instituto.

Leia mais: Consultas rotineiras auxiliam na detecção precoce de miomas uterinos

Eric Silva Pereira, gastroenterologista e endoscopista do Hospital & Clínica São Gonçalo (HCSG), localizado na região metropolitana do Rio de Janeiro, explica que esse tipo de câncer é altamente curável e pode ser identificado por meio do exame de colonoscopia, no qual é detectada a lesão precursora do câncer. Segundo ele, muitas pessoas não se atentam aos sintomas e acabam iniciando o tratamento em fase já avançada. 

"Existe uma evolução de uma lesão benigna para uma lesão maligna, que é o câncer. A lesão benigna é o chamado pólipo, que parece uma pequena verruga e que nasce internamente no intestino. Com a colonoscopia, encontramos essa lesão e fazemos a retirada com alguns acessórios que conseguem visualizar e tratar o paciente, interrompendo a adenoma adenocarcinoma, nome dado a essa evolução benigna para maligna", esclarece.


 Câncer de intestino, maior causa de morte entre os brasileiros (Foto: Reprodução/gastrica)


O especialista salienta que, se o pólipo não for reconhecido e retirado, pode vir a se transformar em um câncer num período de oito a dez anos. "O objetivo, então, é não esperar esse pólipo dar sintomas, pois, às vezes, ele só vai emitir os mesmos quando já se tornou um câncer. Fazemos a colonoscopia em pacientes a partir dos cinquenta anos, mesmo sem apresentar sintomas", afirma. 

O Hospital & Clínica São Gonçalo, para todos os pacientes que vão realizar endoscopia ou mesmo qualquer outro procedimento médico, adota uma postura de conscientização em relação ao câncer de intestino por meio da entrega de informativos acerca da doença. A instituição também trabalha para esclarecer, por meio das várias especialidades médicas, sobre a necessidade da prevenção do tumor de intestino e do reto: "Já não é feita a prevenção do câncer de mama, próstata e útero? Então deve-se também fazer a prevenção do câncer de cólon", enfatiza Eric.

"Mostramos os dados estatísticos e, na maioria das vezes, os pacientes compreendem. Se faz extremamente importante esse trabalho conjunto que realizamos com os outros colegas médicos, como os clínicos, cirurgiões e todas as outras especialidades, pois é uma atuação de formiguinha, gradativa, que se for feita em conjunto, consegue-se um impacto grande na incidência desse tipo de tumor", diz, acrescentando que quanto mais colonoscopias forem solicitadas pelos profissionais médicos, menos probabilidade de câncer os pacientes irão ter, pois será possível encontrar as lesões polipoides. Principalmente em pacientes a partir dos cinquenta anos de idade, em estágio inicial, facilitando a interrupção do processo. 

 

Importância dos equipamentos e da atualização médica no combate à doença

Para Glauco Barbieri, diretor-médico da Gastroscopy, empresa que atua dentro dos hospitais na prevenção do câncer de intestino, "os adventos da medicina no combate ao câncer de intestino são os trabalhos científicos mais recentes, os quais mostram os padrões de atendimento, de busca e de detecção das lesões do intestino. Todos esses padrões são estabelecidos por um grupo de especialistas ao redor do mundo, como Japão, Estados Unidos e outros grandes centros, que se reúnem e criam todas as formas de ação para que se possa chegar a diagnósticos corretos, sem deixar passar lesões nos exames", revela.

Ele aponta para a importância da solicitação de exames para pacientes que tenham idade e que sejam assintomáticos, tal qual para o acompanhamento daqueles pacientes onde são encontrados lesões e pólipos.

 

Setembro Verde

O mês de setembro é dedicado à campanha de prevenção e combate ao câncer de intestino. Trata-se de uma campanha promovida pelas Sociedade Catarinense de Coloproctologia (SCCP), Sociedade Catarinense de Gastroenterologia (SCG) e a Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva Estadual SC (SOBED-SC).

O Setembro Verde tem como objetivo informar e conscientizar as pessoas de que o câncer colorretal, que é o câncer do intestino grosso e do reto, é uma lesão, um tipo de doença altamente frequente, mas que possui prevenção.

 

(Foto destaque: Setembro verde, mês do combate ao câncer de intestino. Reprodução/Ibgh)

Deixe um comentário