Notícias

Prorrogada a campanha de multivacinação de crianças e adolescentes

Campanha Nacional visa intensificar a multivacinação em crianças e adolescentes com menos de 15 anos e atualizar cadernetas. Ação foi prorrogada até 30 de novembro.

3 min de leitura
29 Out 2021 - 14h27 | Atualizado em 29 Out 2021 - 14h27

Os pais que ainda não levaram seus filhos para vacinar e estão com a carteirinha desatualizada terão até o dia 30 de novembro para providenciar. A decisão de prorrogar a campanha de multivacinação em crianças e adolescentes, menores de 15 anos,  foi comunicada nesta sexta-feira (29) pelo Ministério da Saúde. A imunização é importante para evitar que algumas doenças as quais já estão erradicadas retornem, como Sarampo, Paralisia Infantil, Tétano e Difteria, que praticamente já não existem mais no Brasil. Isso ocorre graças ao alto índice de vacinação o país. O público-alvo desta ação é formado de crianças e adolescentes até 15 anos tendo como objetivo é promover a mobilização social para a atualização da Caderneta de Vacinação.

Embora o Sistema Único de Saúde (SUS) ofereça diversos imunizantes contra as mais variadas doenças, dados de órgãos nacionais de sáude apontam para a queda pela busca da vacinação. Foi verificado, por exemplo, uma tendência de queda nos índices de aplicação das doses e essa baixa procura estaria também sendo causada pelo desconhecimento sobre a importância das vacinas, as notícias falsas a atuação dos grupos antivacinas e o medo de eventos adversos, embora a eficácia temha sido comprovada por estudos científicos.

Medida fundamental para proteger o corpo contra doenças, a vacina previne que o organismo contraia bactérias e vírus de diversos problemas, por isso precisa ser dada o mais cedo possível, dentro do recomendado. Se a vacina é adiada, o risco de contato aumenta e a infecção pode se tornar muito mais grave. 


 

Vacinação de crianças. (Foto: Reprodução/ Agência Brasil)


Segundo o Ministério da Saúde, todas as vacinas, que integram o Programa Nacional de Imunizações (PNI), são seguras e estão registradas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). É necessátia a constante atualização da situação vacinal pelos responsáveis para garantir a proteção contra as doenças que podem ser prevenidas, evitando a ocorrência de surtos e hospitalizações, sequelas, tratamentos de reabilitação e óbitos. 
 
https://lorena.r7.com/colunista/Lili-Bustilho/post/Comite-de-emergencias-da-OMS-alerta-que-pandemia-esta-longe-do-fim
https://lorena.r7.com/post/Sindrome-da-Fragilidade-do-Idoso-prevencao-e-sinais-para-ficar-alerta
https://lorena.r7.com/colunista/Lili-Bustilho/post/Projeto-que-cria-auxilio-gas-para-familias-de-baixa-renda-e-aprovado-pela-Camara-dos-Deputados
 
A multivacinação oferece cerca de 18 tipos de vacina: BCG, Hepatite A e B, Penta (DTP/Hib/Hep B), Pneumocócica 10 valente, VIP (Vacina Inativada Poliomielite), VRH (Vacina Rotavírus Humano), Meningocócica C (conjugada), VOP (Vacina Oral Poliomielite), Febre amarela, Tríplice viral (Sarampo, rubéola, caxumba), Tetraviral (Sarampo, rubéola, caxumba, varicela), DTP (tríplice bacteriana), Varicela e HPV quadrivalente (Papilomavírus Humano).
 
Foto Destaque: Vacinação de crianças. Reprodução/EPSJV/Fiocruz 

Deixe um comentário