Saúde

Pesquisadores encontram alterações em sangue de pessoas com COVID longa

De acordo com a pesquisa acerca da COVID longa, os níveis de algumas moléculas imunes são excepcionalmente altos em pessoas com sintomas persistentes após a infecção por SARS-CoV-2.

3 min de leitura
29 Ago 2022 - 15h03 | Atualizado em 29 Ago 2022 - 15h03

Um estudo acerca dos sintomas prejudiciais – até então não confirmados – em pessoas com a COVID longa e que podem indicar uma infecção pelo SARS-CoV-2 revelou uma série de anormalidades no sangue. As pistas se somam a um corpo de evidências que sugerem os condutores da doença e potenciais tratamentos que poderão ser realizados.

Os resultados iniciais também sugerem que, como muitos cientistas e pacientes suspeitaram, a COVID longa compartilha certas características com encefalomielite miálgica/síndrome da fadiga crônica (EM/SFC), outra condição que pode sinalizar uma infecção.

A nova pesquisa em versão pré-print foi publicada na última semana e examinou 99 pessoas com sintomas prolongados da COVID-19. Eric Topol, diretor do Scripps Research Translational Institute, declarou estar satisfeito com os primeiros resultados, apesar de iniciais. "O estudo é inicial, mas foi muito profundo e entrou em aspectos granulares das células T, como a resposta de anticorpos", disse Topol. O diretor, que não estava envolvido no trabalho, completou dizendo que a pesquisa será base para estudos muito maiores.

Os pacientes com a COVID longa, a maioria deles lutando com fadiga intensa, névoa cerebral e outros sintomas, apresentaram baixos níveis de cortisol, um hormônio do estresse que ajuda o corpo a controlar a inflamação, a glicose, os ciclos de sono e muito mais.

De acordo com as amostras, as características das células T dos analisados indicaram que o sistema imunológico dessas pessoas estava lutando contra invasores não identificados, talvez um reservatório de SARS-CoV-2 o vírus Epstein-Barr, por exemplo, que se trata de um patógeno reativado.

Outros grupos que estudam pacientes com a condição relataram resultados semelhantes neste ano, incluindo em um artigo da revista January Cell que documentou baixo cortisol em pessoas com sintomas respiratórios de longa duração e reativação de vírus em pacientes com problemas neurológicos.

Emma Wall, professora na University College London e pesquisadora no Francis Crick Institute, que co-lidera um grande teste de potenciais terapias para a COVID-19, comentou a respeito dos próximos passos. “Coletivamente, esses dados me fazem pensar sobre quais outras drogas podemos testar, como anticorpos dirigidos por vírus ou antiinflamatórios direcionados para domar o sistema imunológico”, disse Wall.


Cientistas analisam amostras de sangue de infectados pelo coronavírus.(Foto/Reprodução/iStock)


O novo projeto começou no final de 2020, quando a imunologista da Universidade de Yale, Akiko Iwasaki, se uniu a David Putrino, um neurofisiologista da Escola de Medicina de Icahn, no Monte Sinai, que cuidava de pacientes afetados. A dupla queria comparar os pacientes com pessoas que nunca haviam sido infectadas e aqueles que haviam se recuperado.

A profundidade das respostas causou surpresa em Putrino. "Foi bastante desafiador encontrar pessoas que estavam totalmente recuperadas da COVID", disse o neurofisiologista. Muitos voluntários pós-COVID-19 descreveram-se como saudáveis, mas depois admitiram, por exemplo, que os seus treinos físicos outrora normais eram muito cansativos para retomar. No final, a equipe assinou com 39 voluntários recuperados da doença entre um total de 116 testes.

Os baixos níveis de cortisol nos pacientes – cerca de metade dos níveis normais – não são uma surpresa total: sintomas como fadiga e fraqueza muscular estão associados ao déficit do hormônio. A causa permanece um mistério. O ACTH, um hormônio feito pela glândula pituitária que controla a produção de cortisol, estava em níveis normais no grupo analisado.

Além disso, de acordo com Putrino e outros envolvidos nas análises, alguns pacientes fora do estudo tentaram experimentaram certa quantidade de esteróides que podem tratar o baixo cortisol, mas que segundo eles não ajudaram. Em seguida, os pesquisadores planejam rastrear os níveis de cortisol ao longo do dia em COVID longa; o nível de esteróide sobe e desce em um ciclo diário, e a pesquisa inicial só testou pela manhã.

As amostras de sangue dos pacientes também foram inundadas com uma categoria de células T "exaustas" que podem ser reconhecidas por certos marcadores que expressam essa característica. Essas células surgem na presença contínua de patógenos, sugerindo que "os corpos das pessoas com sintomas prolongados estão lutando ativamente contra algo", diz Putrino.

Medindo níveis de anticorpos contra proteínas virais liberadas no sangue, o estudo igualmente notou a reativação do vírus de Epstein-Barr e de outras variantes cujos genes podem sentir-se dormentes dentro das pilhas contaminadas por períodos prolongados.

O grau de exaustão das células T, que parecia acompanhar a reativação do vírus Epstein-Barr, intrigou os pesquisadores, desconsiderando esse vírus o único culpado em potencial. A SARS-CoV-2 também pode permanecer em pacientes com a condição, ela e outros dizem. A reativação de Epstein-Barr, o baixo cortisol, e a exaustão da pilha de T apareceram todos em alguns pacientes de ME/CFS.

A COVID longa está longe de ser uniforme e o novo estudo deixa claro – por exemplo, apenas cerca de 20% a 30% dos pacientes do estudo tinham níveis muito altos de células T esgotadas. No entanto, "o nível de consistência é grande" entre estudos recentes que investigam a biologia do coronavírus, diz James Heath, presidente do Instituto de Biologia de Sistemas, autor do artigo que encontrou baixa reativação de cortisol e vírus.

O autor observa que o estudo de seu grupo examinou um grupo de pacientes cerca de três meses após a infecção pelo SARS-CoV-2, enquanto o grupo de Iwasaki e Putrino estava, em média, a mais de um ano distante do coronavírus e das suas variantes.

Putrino e Iwasaki dizem que é hora de avançar com novos testes de terapias potenciais, que também podem elucidar as causas da COVID longa e determinar se os subconjuntos de pacientes são mais propensos a responder a certas intervenções.

A lista de objetivos da terapia experimental de Iwasaki é longa e inclui: suplementação com cortisol; terapia de direcionamento do vírus Epstein-Barr; a droga antiviral Paxlovid, agora usada para COVID-19 aguda; e até mesmo terapias que esgotam as células B, que são usados para tratar doenças autoimunes e acalmar o sistema imunológico. Novos resultados devem ser publicados nas próximas semanas.

Foto destaque: Novo estudo investiga efeitos da COVID longa. (Reprodução/iStock)

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo