Bem Estar

Pesquisa comprova relação entre o colesterol e Alzheimer

Pesquisa comprova ligação entre o colesterol e o Alzheimer, além de estudar a possibilidade de diminuir a progressão desta doença com o controle dos níveis de colesterol.

3 min de leitura
19 Ago 2021 - 15h11 | Atulizado em 19 Ago 2021 - 15h11

Um estudo recente comprovou a existência de uma ligação entre o Alzheimer e o colesterol através da produção da proteína beta-amiloide (), que está diretamente ligado ao Alzheimer. Doença esta que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, afeta aproximadamente 35,6 milhões de pessoas no mundo além de existirem mais de 1 milhão de casos no Brasil.

 Antes de explicar a relação entre os dois, talvez seja melhor entender um pouco mais sobre ambos, mesmo que superficialmente. O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que afeta a memória, o comportamento, podendo até impedir a pessoa de reconhecer os outros, se comunicar claramente e de exercer as atividades diárias.

Vacina: Possibilidade de misturar vacinas se torna promissora

Covid 19: Mais de 100% dos adultos já foram vacinados na capital paulista

Diabetes: o mal silencioso que atinge boa parte da população mundial

 Já o colesterol, é um tipo de gordura que é essencial para o funcionamento do corpo humano. Porém, é preciso se atentar à sua quantidade, já que em níveis elevados pode ser completamente prejudicial para a saúde, aumentando as chances de doenças cardiovasculares e diabetes.

Conexão comprovada

 Os estudos feitos por pesquisadores da Scripps Research, na Flórida, EUA, comprovam a ligação através da Apolipoproteína (apoE), uma proteína que atua no transporte do colesterol para os neurônios, facilitando a produção da beta-amiloide na membrana externa dessas células. Desse modo, foi possível inferir que ao impedir o fluxo de colesterol, será possível evitar que essas proteínas sejam produzidas.

 


Pesquisa comprova relação entre o colesterol e o Alzheimer (Foto: reprodução/pexels)


 A aglomeração da beta-amiloide, por sua vez, pode formar placas nas membranas celulares dos neurônios, que atrapalha na transmissão dos sinais nervosos. Em outras palavras, pode causar a perda de memória, uma das principais características do Alzheimer.

“Mostramos que o colesterol age essencialmente como um sinal nos neurônios, o que determina quanto da Aβ é produzido. Portanto, não deveria ser surpreendente que a apoE, que carrega o colesterol para os neurônios, também influencie no risco de Alzheimer”, disse Scott Hansen, coautor da pesquisa e professor associado do Departamento de Medicina molecular da Scripps Research.

 Desse modo, a pesquisa busca explorar a possibilidade de prevenção da progressão do Alzheimer através da manutenção dos níveis do colesterol, já que a relação entre ambos já foi comprovada.



(Foto destaque: Pesquisa comprova relação entre o colesterol e Alzheimer. Reprodução/pexels)

Deixe um comentário