Saúde

Linfoma não Hodgkin: entenda as causas, os sintomas e os riscos da doença

O linfoma não Hodgkin é um tipo de câncer que se desenvolve no sistema linfático, uma rede de vasos e glândulas espalhadas por todo o corpo. Entenda a doença e saiba como essa condição se manifesta.

3 min de leitura
05 Set 2022 - 14h53 | Atualizado em 05 Set 2022 - 14h53

O linfoma não Hodgkin (LNH) é um tipo de câncer que começa no sistema linfático, que faz parte do sistema imunológico de combate a germes do corpo. Nele, os glóbulos brancos chamados linfócitos crescem anormalmente e podem formar crescimentos (tumores) em todo o corpo.

A doença é uma categoria geral de linfoma e há muitos subtipos que se enquadram nessa categoria. O linfoma difuso de células B grandes e o linfoma folicular estão entre os subtipos mais comuns. A outra categoria geral de linfoma é o linfoma de Hodgkin.

Os avanços no diagnóstico e tratamento do linfoma não Hodgkin ajudaram a melhorar o prognóstico para as pessoas com essa doença. A condição pode causar muitos sinais e sintomas diferentes, dependendo do tipo de linfoma e onde está no corpo. Às vezes, pode não causar sintomas até que cresça bastante.

Ter um ou mais sintomas não significa que uma pessoa definitivamente possui o linfoma. Na verdade, muitos dos sintomas listados são mais propensos a serem causados por outras condições, como uma infecção. Ainda assim, caso se tenha qualquer um desses sintomas, o ideal é procurar um médico para que a causa possa ser encontrada e tratada, se necessário.

Alguns sinais e sintomas comuns incluem: gânglios linfáticos aumentados; arrepios; perda de peso; fadiga (sensação de muito cansaço); abdômen inchado (barriga); sentir-se cheio depois de apenas uma pequena quantidade de comida; dor ou pressão no peito; falta de ar ou tosse; infecções graves ou frequentes; fácil contusão ou sangramento.

A respeito das causas, os pesquisadores descobriram que o linfoma não Hodgkin está ligado a vários fatores de risco, mas a causa da maioria dos linfomas não é conhecida. Isso é complicado pelo fato de que os linfomas são realmente um grupo diversificado de cânceres.

Normalmente, os linfócitos passam por um ciclo de vida previsível. Os linfócitos antigos morrem e o corpo cria novos para substituí-los. No linfoma não Hodgkin, os linfócitos não morrem, e o sistema continua criando novos. Esse excesso se aglomera nos gânglios linfáticos, fazendo com que eles inchem.


Exames de imagem podem identificar o linfoma. (Foto/Reprodução/CDLS)


O linfoma não Hodgkin inicia-se mais frequentemente nos seguintes casos:

  • Células B: as células B são um tipo de linfócito que combate a infecção produzindo anticorpos para neutralizar invasores estrangeiros. A maioria dos linfomas não Hodgkin surge de células B. Subtipos desse linfoma que envolvem células B incluem linfoma difuso de células B grandes, linfoma folicular, linfoma de células mantélicas e linfoma de Burkitt.
  • Células T: as células T são um tipo de linfócito que está envolvido em matar invasores estrangeiros diretamente. O linfoma não Hodgkin ocorre muito menos frequentemente em células T e seus subtipos que envolvem essas células incluem linfoma periférico de células T e linfoma cutâneo de células T.

A maioria das pessoas diagnosticadas com linfoma não Hodgkin não tem nenhum fator de risco óbvio. Além disso, muitas pessoas que têm fatores de risco para a doença nunca a desenvolvem.

Alguns fatores que podem aumentar o risco de linfoma não Hodgkin incluem:

  • Medicamentos que suprimem o sistema imunológico: caso a pessoa tenha feito um transplante de órgãos e toma medicamentos que controlam seu sistema imunológico, ela pode ter um risco aumentado de desenvolver a doença;
  • Infecção por certos vírus e bactérias: certas infecções virais e bacterianas parecem aumentar o risco de linfoma não Hodgkin. Vírus ligados a esse tipo de câncer incluem HIV e infecção por Epstein-Barr. As bactérias ligadas a esse linfoma incluem a bactéria causadora de úlceras;
  • Produtos químicos: certos produtos químicos, como os usados para matar insetos, podem aumentar o risco de desenvolver o linfoma. Mais pesquisas são necessárias para entender a possível ligação entre os pesticidas e o desenvolvimento do linfoma não Hodgkin;
  • Idade mais avançada: o linfoma não Hodgkin pode ocorrer em qualquer idade, mas o risco aumenta com o envelhecimento. É mais comum em pessoas com 60 anos ou mais.

O médico provavelmente perguntará ao paciente sobre seu histórico médico pessoal e familiar. Pode, então, submeter-se a testes e procedimentos utilizados para diagnosticar o linfoma não Hodgkin, incluindo:

  • Exame físico: o médico verifica se há gânglios linfáticos inchados, inclusive no pescoço, nas axilas e na virilha, bem como se há um baço ou fígado inchado;
  • Exames de sangue e urina: testes podem ajudar a descartar uma infecção ou outra doença;
  • Exames de imagem: o médico pode recomendar exames de imagem para procurar sinais de células de linfoma em outras partes do corpo. Os testes podem incluir tomografia computadorizada, ressonância magnética e tomografia por emissão de pósitrons;
  • Teste de linfonodo: pode ser recomendado um procedimento de biopsia de linfonodo para remover todo ou parte de um linfonodo para exames laboratoriais. Analisar o tecido linfonodal em um laboratório pode revelar se a pessoa tem linfoma não Hodgkin e, em caso afirmativo, qual tipo;
  • Teste de medula óssea: uma biopsia de medula óssea e o procedimento de aspiração envolvem a inserção de uma agulha no osso para remover uma amostra de medula óssea. A amostra é analisada para procurar células desse linfoma;
  • Punção lombar: se houver uma preocupação de que o linfoma possa afetar o líquido ao redor da medula espinhal, o médico pode recomendar um procedimento para remover parte do líquido para teste. Durante uma punção lombar, o médico insere uma pequena agulha no canal espinhal na parte inferior das costas.

Outros testes e procedimentos podem ser usados dependendo da situação. Um profissional de saúde usa as informações desses testes e procedimentos para determinar o subtipo do linfoma não Hodgkin e quais tratamentos podem ser mais eficazes. Existem muitos tipos de linfoma, incluindo formas raras que alguns médicos podem nunca ter visto. A pesquisa mostra que ter suas amostras de tecido revisadas por um profissional experiente pode resultar em um diagnóstico mais preciso.

Foto destaque: Linfoma não Hodgkin se manifesta de diferentes formas. Reprodução/Oncos

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo