Iza e Léo Santana estão entre os negros mais influentes

Publicado 06 de Oct de 2020 às 18:49

Os cantores Léo Santana e Iza foram anunciados na Cerimônia de Reconhecimento e Premiação do MIPAD (Most Influential People of African Descent) entre os 100 negros mais influentes do ano de 2020. O evento portanto aconteceu na 74ª Assembleia Geral da ONU nessa segunda-feira (5). Léo Santana ademais postou em seu Instagram uma foto de divulgação oficial do anúncio da premiação e na legenda escreveu:

“Ser um dos escolhidos como representante afrodescendentes no meu país e saber que minha carreira impacta positivamente na vida de muitas pessoas só me faz crer que estou no caminho certo! Quanta representatividade! Haja orgulho! Gratidão acima de tudo!”. Os seguidores do cantor comentaram e comemoraram a postagem.

Leia mais: Larissa Manoela e Leo Cidade anunciam novo projeto em casal

Merecedor de tudo isso, parabéns e que venham mais conquistas”, escreveu um, “que orgulho de você, escreveu outra”. À saber, os dois artistas ganharam o reconhecimento na categoria “Mídia e Cultura”. Léo ainda mais postou em seus stories sobre a premiação e se mostrou muito emocionado com o reconhecimento em sua carreira artística.


Iza e Léo Santana cantando juntos no programa Música Boa Ao Vivo, do Multishow. (Reprodução/Multishow)


Iza comemora sucesso

A cantora Iza ainda mais postou em seu Instagram que esse ano completou três anos do lançamento do hit Pesadão, que levaria seu nome ser reconhecido nacionalmente. Iza comemorou mês passado trinta anos de idade e já pode comemorar muito sucesso na carreira. Em seu Instagram a cantora havia postado, "trintei! Agradecendo a Deus por esses maravilhosos 30 aninhos e por esses 4 anos de carreira que me fizeram realizar tantos sonhos. VALEU, DEUS! Deus é bom o tempo todo! Aquele salve pras virginianas”!

Por fim, para a Revista Quem, a cantora falou sobre a “pausa” que deu nos compromissos durante a quarentena e como usou o tempo de ociosidade.

Em dezembro do ano passado, já tinha decidido que ficaria uns quatro meses off, sem trabalhar. Ia ficar mais em casa, com a minha família e produzindo de casa, ouvindo novas músicas, gravando e compondo. Meu corpo e minha mente estavam pedindo para descansar. Coincidentemente, houve a pandemia e acabei aproveitando esse momento. Nas primeiras semanas de confinamento, estava uma pilha de ansiedade, sem saber o que aconteceria. Fiquei mais focada nas coisas de casa, até porque não poderia ver minha família. Repensei sobre a minha vida, a forma de consumir, de viver. Depois do primeiro mês, consegui produzir mais, gravei algumas coisas, fiz música, tenho desenhado muito porque me ajuda a pensar em música também. Eu relaxo e desligo quando eu desenho. Faço isso desde muito nova.”

(Foto Destaque:Iza e Léo Santana estão entre os negros mais influentes. Reprodução/Correio 24 horas)

Deixe um comentário