Moda

Giorgio Armani cancela desfiles masculinos devido à pandemia

Giorgio Armani anunciou nesta terça-feira (4) o cancelamento dos desfiles programados para janeiro em Milão e Paris. O aumento de casos de Covid-19 resultaram na decisão.

3 min de leitura
06 Jan 2022 - 12h05 | Atualizado em 06 Jan 2022 - 12h05

O famoso estilista italiano Giorgio Armani anunciou na última terça-feira, 4, o cancelamento dos desfiles masculinos de inverno 2022. Previstos para acontecerem em janeiro, durante as semanas de moda de Milão e alta-costura em Paris, o cancelamento se deu ao aumento de casos de Covid-19 devido à variante Ômicron. O designer também não fará mais a apresentação Privé durante a semana de alta-costura, que será entre os dias 24 e 27 em Paris, também em razão ao agravamento da pandemia de Covid-19 na Europa.

“Esta decisão foi tomada com grande pesar e após reflexão cuidadosa à luz do agravamento da situação epidemiológica. Como o designer já expressou em várias ocasiões, os shows são cruciais e insubstituíveis ocasiões, mas a saúde e segurança dos funcionários e do público devem mais uma vez ter prioridade", disse a grife milanesa em nota oficial.


Desfile de aniversário de 40 anos da Armani. (Foto: Reprodução/Estadão)


A Armani foi a primeira a fechar seus eventos no início da pandemia de Covid-19, ainda em fevereiro de 2020, realizando o desfile de moda sem público. O Conselho de Moda de Milão anunciou em dezembro que 22 marcas, de Armani a Zegna, estariam realizando desfiles ao vivo, com apenas nove optando por apresentações digitais. Isso foi feito após o sucesso dos desfiles de roupas femininas de setembro, que contou com 40 prévias ao vivo nas passarelas, com exigências de máscara e número limitado de convidados.

Apesar da alta taxa de vacinação na Itália, o país – como muitos outros em todo o mundo – viu um aumento nos casos de Covid-19 em meados de dezembro e durante os feriados de Natal e Ano Novo, com cerca de 100 mil novas infecções diárias. Milão e sua região, Lombardia, foram duramente atingidas pela nova variante Ômicron e recentemente voltaram a ser classificadas como uma "zona amarela", o que significa um retorno ao uso de máscara em todos os locais públicos, internos e externos, entre outras restrições. Na França, as infecções estão em seu pico, com mais de 160 mil novos casos diários.

Foto destaque: Giorgio Armani. Reprodução/Alessandro Garofalo.

LEIA MAIS

Deixe um comentário