Saúde

Entenda a síndrome do ombro congelado

Segundo pesquisa alemã, a capsulite adesiva pode afetar saúde mental.

3 min de leitura
30 Dez 2022 - 11h50 | Atualizado em 30 Dez 2022 - 11h50

Ter uma dor física pontual é ruim, mas ter uma lesão que pode levar até 15 meses para passar é ainda mais frustrante. O que era físico passa a atingir também o emocional. Não à toa, um estudo alemão publicado, esse ano, no jornal de Pesquisa Psiquiátrica, aponta que pacientes com ombro travado têm maior risco de sofrer com problemas relacionados à saúde mental. O estudo incluiu 29.258 pessoas com capsulite adesiva e outras 29.258 pessoas sem o problema, e a incidência de depressão foi de 17,5% no primeiro grupo e de 8,7% no segundo. “A capsulite adesiva é uma inflamação da capsula articular do ombro, que fica totalmente aderida e causa limitação da mobilidade, por isso o nome popular de ombro congelado. É um tratamento difícil, longo, de muita dor, principalmente noturna, o que atrapalha o sono do paciente, isso tudo acaba gerando acometimento emocional”, afirma a fisioterapeuta Walkyria Fernandes.

Para o diagnóstico de capsulite adesiva é necessário um exame clínico e um exame de imagem, como a Ressonância Magnética. “É extremamente importante o paciente não ignorar a dor e nem mascará-la com automedicação. É necessário procurar um médico ou fisioterapeuta para que o tratamento seja iniciado o quanto antes e de forma correta”, diz Walkyria. A capsulite adesiva tem três fases: a primeira é a fase da dor e o início da perda da amplitude do movimento. A segunda é a fase inflamatória, com uma importante perda da amplitude do movimento, que aí sim e a fase do “congelamento do ombro”. Já a última, é o “descongelamento”, quando diminui o processo inflamatório e acontece a liberação da capsula articular.

“O tratamento pode ser feito com medicação, receitada pelo médico, para combater a dor e com a fisioterapia, que vai ajudar a diminuir a dor, desinflamar e ganhar amplitude de movimento. E na última fase, recuperar a mobilidade, trabalhar reequilíbrio muscular e fortalecimento. O tempo de tratamento vai variar de acordo com a fase que o paciente chega para fisioterapia. A capsulite adesiva pode durar em média 15 meses. Se o paciente chega no início da dor, ele vai ter em média um ano de tratamento. É comum quando ele começa a fisioterapia, ter uma piora e entrar na fase de congelamento, não tem como impedir isso, faz parte das fases da doença”, explica a fisioterapeuta.

Segundo Walkyria, há dores no ombro que são tratadas de formas bem mais rápidas. A capsulite adesiva tem as três fases, que são inevitáveis do paciente acometido pelo problema passar, a pessoa fica desanimada, deixa de fazer coisas que gosta e por isso fica mais propício a desenvolver a depressão. “Há poucas patologias de ombro que geram um problema grande desse, a não ser que seja uma fratura grave que precise de cirurgia ou um tumor. A síndrome do ombro congelado é idiopática, ou seja, não existe causa específica. Quando surge é mais chata para tratar devido ao tempo de tratamento, que pode influenciar bastante o emocional do paciente”, finaliza a especialista.

Foto Destaque: Reprodução

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo