Notícias

Deflação no Brasil é menor pela primeira vez em mais de dois anos

O IPCA teve uma queda de 0,68% em julho, a menor taxa desde 1980 e teve a primeira queda em 2 anos. O recuo dos combustíveis e da energia ajudaram IPCA a ter a deflação de julho.

3 min de leitura
09 Ago 2022 - 18h45 | Atualizado em 09 Ago 2022 - 18h45

O Brasil registrou nesta terça-feira (9) a primeira deflação em mais de dois anos, e a menor pela primeira vez desde 1980, com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) recuando 0,68% em julho. O termo é utilizado ao oposto da inflação, que é conhecida pelas altas generalizadas de preços em um determinado período de tempo. 

Só que, desta vez, foi diferente. Não houve uma queda generalizada, mas sim um recuo importante nos dois principais grupos que compõe o IPCA, e isso se deve a baixa no valor dos combustíveis e da energia elétrica, o que puxou para baixo o índice geral. Os preços da gasolina recuaram 15,48%, e do etanol 11,38% no mês. Mas por outro lado, a inflação dos alimentos acelerou em 6 em cada 10 itens pesquisados pelo IBGE. 


Frentista alterando valor do combustível. (Foto/Reprodução/G1)


Já no ano, a inflação acumulada é de 4,77%. No acumulado nos últimos 12 meses a taxa diminuiu para 10,07%, contra os 11,89% registrados nos 12 meses anteriores. A deflação pode ser acusada também pelos seguintes fatores : o primeiro é quando há, no mercado, uma oferta maior que a demanda da população. Sendo assim, os preços precisam ser reajustados para atrair mais consumidores.

Apesar da deflação ser muito importante nos cenários de inflação alta ou descontrolada, ela geralmente é evitada quando a economia está saudável, já que pode representar um cenário de recuo ou até mesmo de estagnação da economia. O Japão por exemplo possui uma economia estagnada há anos e alterna entre muito leves altas de inflação e deflação devido à baixa demanda no país.

A queda ficou concentrada em 2 dos 9 grupos de produtos e serviços. O transporte registrou queda de (-4,51) e habitação (-1,05), eles foram influenciados pelos recentes cortes nas alíquotas de ICMS (imposto estadual) sobre a energia e combustível. Os outros 7 grupos subiram em julho. Entre elas, a alta registrada como destaque foram nas bebidas e alimentação (1,30%), que voltou a acelerar, mesmo com redução dos ICMS, e isso afeta diretamente os mais pobres.

Foto Destaque : Dinheiro brasileiro em notas. Reprodução/RIFA

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo