Covid-19: Destaques da semana

Publicado 18 de Oct de 2020 às 16:45

O Programa Nacional de Imunizações focado na aplicação da vacina contra a covid-19 está previsto para começar em janeiro de 2021. De acordo com o Ministério da Saúde, neste primeiro momento, serão 15 milhões de doses disponíveis, que poderão ser aplicadas em 7% da população brasileira, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia mais: Bares e Restaurantes são os locais com maior risco de infecção pelo coronavírus

No cronograma apresentado pela pasta, nesta quinta-feira, 15, a previsão é que os resultados da fase de testes da vacina do laboratório AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, sejam finalizados em novembro. Após a obtenção do registro junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a imunização poderia começar em janeiro de 2021.

Estamos trabalhando para adiantar o cronograma para dezembro. No acordo, vamos receber 15 milhões de doses por mês, totalizando 100 milhões. Este primeiro lote vai ser com o ingrediente farmacêutico ativo já pronto e a Fiocruz trabalha com ele. Com a transferência de tecnologia, a previsão é que este ingrediente seja produzido aqui a partir de abril. No segundo semestre, teríamos a capacidade de produzir mais 110 milhões de doses”, explicou Elcio Franco, secretário executivo do Ministério da Saúde, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira.

Ainda de acordo com o secretário, não há uma definição de quem vai receber a dose primeiro e como será a distribuição por estados. Os grupos prioritários ainda serão definidos por uma câmara técnica composta de vários especialistas em saúde. O que se sabe, é que a aplicação será feita nas Unidades Básicas de Saúde, como ocorre com outras campanhas de imunização.


Serão disponibilizadas, 15 milhões de doses da vacina por meio do sistema único de saúde (SUS) (Foto:Reprodução/Exame)


Casos de reinfecção por coronavírus são monitorados em Curitiba

Os casos isolados de reinfecção por coronavírus (covid-19) que foram registrados em diversos países pelo mundo, também são investigados em Curitiba. Isso ocorre quando um paciente fica curado da doença, mas começa a apresentar sintomas novamente, depois de um certo período.

Na sexta-feira (16), a Secretaria Municipal de Saúde confirmou que investiga casos de pacientes curitibanos que voltaram a apresentar os sintomas da covid-19, mesmos após terem sido curados. A informação foi transmitida durante a live sobre os casos que a prefeitura realiza diariamente pela internet.

Após mencionar o número de 44 mil pessoas residentes em Curitiba que estão recuperadas da doença, a médica infectologista da prefeitura, Marion Burger, disse que algumas voltaram a apresentar sintomas. A médica disse que ainda não há comprovação científica de quanto tempo dura a imunidade do coronavírus e pediu que todos as pessoas mantenham os cuidados sanitários, mesmo as que já tiveram a doença.

 

Mundo dividido está falhando no combate à covid-19, diz ONU

 

Um mundo dividido tem fracassado ao enfrentar o desafio de lutar contra a pandemia de covid-19, disse neste sábado o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao alertar que uma ação conjunta é necessária para evitar que milhões de pessoas sejam empurradas para a pobreza e fome.

O ex-primeiro-ministro português afirmou que muito mais poderia ter sido feito se os países tivessem trabalhado juntos para combater a doença, que já matou mais de um milhão de pessoas. Segundo ele, se medidas coordenadas não forem tomadas, "um vírus microscópico pode levar milhões de pessoas à pobreza e à fome, com efeitos econômicos devastadores nos próximos anos".

Guterres também criticou os países por falta de unidade na tentativa de resolver outros desafios globais, incluindo os conflitos no Afeganistão, Iêmen e Síria. "É uma fonte de enorme frustração", declarou. Mais de 39 milhões de pessoas foram infectadas pela covid-19, de acordo com uma contagem da Reuters baseada em divulgações oficiais.

Foram registradas infecções em mais de 210 países e territórios desde que os primeiros casos foram identificados na China, em dezembro de 2019.

 

(Foto destaque: Coronavírus e os Destaques da semana. Reprodução/bbc)

 

Deixe um comentário