Notícias

Com maior diversidade eleições de 2022 tem aumento de candidatas indígenas e LGBTQIA+

Eleições de 2022 contam com aumento considerável em candidaturas de mulheres, negras, indígenas e LGBTQIA+, tendo pela primeira vez um crescimento na diversidade entre candidatos.

3 min de leitura
18 Ago 2022 - 21h00 | Atualizado em 18 Ago 2022 - 21h00

Em busca de um aumento na diversidade de gênero nas eleições deste ano, organizações sociais tem trabalhado em diversas campanhas, com o objetivo de incluir na política mais mulheres, indígenas, negros e grupos LGBTQIAP+, que não possuem lugares de destaque no Congresso Nacional, que conta apenas com 15% de mulheres na Câmara, numero que é ainda menor no Senado Federal, de apenas 13%.

Numero de candidaturas de mulheres neste ano é maior que o das últimas três eleições gerais, sendo 28.371 candidaturas registradas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sendo registrado o percentual de mulheres negras superior ao de candidaturas de mulheres brancas em uma eleição geral, desde 2014, ano em que foi instituída a autodeclaração racial na política. Em 2014, quando começaram as autodeclarações de raça, o percentual de candidatos negros foi de 44,24% do total.

Nas eleições deste ano o número de candidaturas femininas de mulheres autodeclaradas pretas é de 18,13%, e o de mulheres autodeclaradas indígenas apenas 0,88%.

Diversidade nas candidaturas

Mesmo sendo a maioria do eleitorado brasileiro, com 53%, as mulheres não recebem muito espaço no Senado ou na Câmara de Deputados, tendo pouca participação em ambos. No entanto, o número de candidatas que se autodeclaram pretas cresceu no comparativo de 2022 com referência nos anos de 2014 e 2018, com 1.696 candidaturas, número é 103% maior que o registrado em 2014.

Para a líder de governo na Câmara, Moara Saboia, vereadora em Contagem-MG este número precisa crescer não somente em candidaturas, mas em eleitas. ” É necessário força e voz para legislar sobre nossos próprios corpos, com leis e iniciativas pensadas e pautadas por nós. Mais do que votos, queremos ser votadas, e mais do que isso, queremos ser eleitas” declarou a candidata a Deputada Estadual de Minas Gerais ao Midia Ninja.

No Congresso Nacional somente dois indígenas foram eleitos deputados federais, em 132 anos de República. Sendo o primeiro Mario Juruna que foi eleito em 1982, somente 32 anos depois em 2018, Joenia Wapichana se elegeu deputada, e busca sua reeleição em 2022. Este ano o número de candidatas indígenas cresceu 67,35% chegando a 82 candidaturas.

Nomes como Sonia Guajajara, formam a “Bancada do Cocar” que esta na disputa para deputada federal pelo PSOL em São Paulo. Em busca da eleição como deputada federal em Minas Gerais temos a candidata Célia Xakriabá, e Chirley Pankará, candidata a deputada estadual em São Paulo, entre muitas outras.


                           

        A esquerda a vereadora Moira Saboia, e Sonia Guajajara candidata a deputada federal a direita (Foto:Reprodução/Fundação Perseu Abramo/Brasil de Fato)


Grupos LGBTQIA+

As candidaturas LGBT+ tiveram um grande aumento em 2022, somando 214 candidaturas em todo o Brasil. Com a ajuda da campanha Vote LGBT+, que mapeou em seu site todas as candidaturas, as separando por estado, deixou as opções disponíveis aos eleitores que buscam conhecer melhor os candidatos, mesmo que algumas candidaturas não tenham dado autorização para serem divulgadas no site.

 

Foto Destaque: Candidatas da Bancada do Cocar reunidas/ Conexão Planeta

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo