Notícias

5 milhões de famílias não sabem se serão englobadas no Auxílio Brasil

Sem informações, mais de cinco milhões de famílias brasileiras estão em dúvidas se serão englobados nos critérios do Auxílio Brasil. O programa substituirá o Bolsa Família que foi encerrado na última sexta-feira (29) de outubro.

3 min de leitura
04 Nov 2021 - 11h40 | Atulizado em 04 Nov 2021 - 11h40

Com o término do Auxílio Emergencial se aproximando e o encerramento do “Bolsa Família”, programa criado no governo do (PT) pela Lei 10.836, há mais de  18 anos, e que contemplou mais de 14 milhões de famílias em vulnerabilidade socioeconômica,  tirou o Brasil do mapa da fome e em 2013 recebeu uma premiação internacional pela criação do  programa que reduziu a desigualdade social.  Hoje, existem mais de 5 milhões de famílias  brasileiras inscritas no Cadastro único (Cadúnico) que carregam consigo diversas dúvidas e incertezas em relação ao direito de recebimento do valor de R$ 400,00 ou não,  do agora então “Auxílio Brasil”, criado pelo atual governo, Bolsonaro.

Isto acontece porque este grupo de pessoas que, embora fossem inscritas no CadÚnico, não recebiam Bolsa Família. Mas, com o advento da pandemia, milhões de família perderam o trabalho, empreendedores baixaram as portas dos seus negócios, ou seja, perderam seus meios de subsistência, a realidade financeira entrou em declínio, elas perderam o poder de compra e precisaram recorrer ao Auxílio Emergencial em 2020, como complementação da renda.


Auxílio Brasil substituirá bolsa Família( Foto: Roprodução/Jornal Contabil)


Nesse sentido, a diretora da Rede Brasil de Renda Básica (RBRB), organização que reúde pesquisdores, professores de mais ativistas da sociedade civil,  Paola Carvalho, disse, em uma rede social que: “A pandemia trouxe para o Brasil consequências gravíssimas que estouraram  principalmente na população mais pobre”, informou.

Além disso, Paola teceu críticas à gestão atual.  “E o Governo Federal agiu mal, fazendo com que à medida que o tempo fosse passando, mais e mais famílias tivessem dificuldades com o aumento o desemprego e a falta de políticas públicas de proteção”, pontuou.   Segundo informações encontradas no site do Ministério da Cidadania, os critérios para recebimento do Auxílio Brasil são: “Famílias em situação de extrema pobreza e famílias em situação de pobreza, que possuírem em sua composição gestantes ou pessoas com idade até 21 (vinte e um) anos incompletos”.

 

https://lorena.r7.com/post/Trabalhadores-nascidos-em-fevereiro-podem-sacar-auxilio-emergencial

https://lorena.r7.com/post/O-novo-programa-Auxilio-Brasil-promete-atender-17-milhoes-de-familias-em-2022

https://lorena.r7.com/post/Caixa-divulga-proximas-datas-do-auxilio-emergencial


O Governo Federal define extrema pobreza o indivíduo cuja renda é de  até R$ 89 e situação de  pobreza, o que tem uma renda percapta de R$ 179,00. O auxílio emergencial (2021) era destinado a pessoas com uma renda de até meio salário mínimo por pessoa.  Baseado nesta informação, pessoas que receberam o auxílio emergencial e que se enquadra na supracitada renda deduz-se então, que estão automaticamente fora dos critérios do Auxílio Brasil.

 

Foto Destaque: Aplicativo Caixa Tem. Reprodução/Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Deixe um comentário