Beleza

Gol é sentenciada a custear maquiagem e procedimentos estéticos das funcionárias

A Justiça do trabalho condenou a Gol Linhas Aéreas em uma ação movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), devido a exigência que a empresa faz relativa a apresentação de suas funcionárias mulheres, sem fornecer auxílio para isso.

3 min de leitura
08 Set 2021 - 18h00 | Atulizado em 08 Set 2021 - 18h00

A empresa foi condenada a pagar uma indenização de R$ 220 reais mensais a cada empregada (Excluindo contratos de trabalho rescindidos até a data de 21 de setembro de 2018). Ela tamvém deve fornecer conjunto de maquiagem previsto no código de vestimenta e apresentação pessoal da empresa e também procedimentos estéticos, como manicure e depilação.

Alerta Tendência: Camisa social oversized é a queridinha do momento

Conheça a nova tendência: chinelo nuvem

Top sem alça retorna como tendência no verão

E uma segunda indenização por dano moral coletivo no valor aproximado de $ 500 mil reais, sob a argumentação de que a empresa cometeu discriminação de gênero e minoração salarial feminina. De acordo com o Sindicato Nacional dos Aeronautas, a sentença é de primeira instância. Os embargos apresentados pela companhia aérea foram julgados e considerados inconsistentes. A Justiça do Trabalho determinou que caso a empresa não cumpra a sentença, então que se abstenha de exigir em seus manuais que as funcionárias realizem procedimentos estéticos e aquisição de maquiagem, a fim de não causar despesas às funcionárias. 

E não é a primeira vez que empresa é derrotada na justiça pelo mesmo tema. Em 2019, foi condenada pela Justiça do Trabalho de Santa Catarina a pagar a uma comissária o valor de R$ 100 por mês trabalhado como ressarcimento de gastos referentes a itens de cuidado pessoal e beleza. A Latam, também no processo, alegou que era apenas uma recomendação da empresa no sentido de usar maquiagem.


Comissárias da Virgen Atlantic (Foto: Reprodução/instagram/@virgenatlantic)


Algumas companhias aéreas como a British Airways e a Emirates ainda exigem que a tripulação use maquiagem durante o trabalho, porém, ainda existe uma luz no fim do túnel. Em 2019 a tripulação feminina da companhia aérea Virgin Atlantic foi liberada para trabalhar sem usar maquiagem.

 

 

Foto de capa: Gol é sentenciada a custear maquiagem e procedimentos estéticos das funcionárias. Reprodução/instagram/Gol

Deixe um comentário